Google+ Followers

quinta-feira, 30 de março de 2017

FUTEBOL: HISTÓRIA E ARTE

Momento eliminatórias...


Aproveitando o momento das eliminatórias da Copa, quando a seleção brasileira está exibindo sua melhor forma e nós comemoramos a classificação para a Copa da Rússia, vamos a um dedo de prosa sobre futebol e arte ou futebol/arte... ah, já nem sei como dissecar estas paixões, porém quero contar uma 'história da história de um tempo que eu quase vi'. Não presenciei, de fato, mas convivi com o sujeito anônimo, autor de uma obra digna da imortalidade, tanto quanto a seleção de 70.

Walter Vandervolth é o nome dele. Sua biografia não caberia em uma postagem simples do nosso pequeno Núcleo, por isto, atenho-me ao fragmento que me coube:

Surge um poema


Aconteceu em 1970 – Brasil tricampeão mundial de futebol.

Sobre a magia do momento, a grandeza dos feitos do Canarinho muitos já falaram. Porém as histórias paralelas, vividas nos cantos mais remotos do país; sobre os radinhos de pilha de ondas curtas… sobre os apaixonados por futebol dos rincões deste Brasilzão; sobre aqueles que – sim, conheciam cada um dos meninos do futebol como se fossem os maiores amigos de infância; sobre estes, não há registros.

Por seu radinho de pilhas, Walter ouviu sobre um concurso literário promovido pela emissora (?) (Ora, não sei qual era a emissora) – Sim, deveria me informar, mas não agora. Agora quero apenas contar sobre o poema de Walter Vandervolth.

Walter se inscreveu… de longe. E escreveu… produziu com toda sua arte. E, tal como a Seleção Brasileira de Futebol, classificou - 1º lugar.

O prêmio


Uma pequena quantia em dinheiro, nem foi suficiente para tratar uma tuberculose.

Quanto ao poema, vale muito a pena publicar. Vale muito a pena ler…

O Caneco é Nosso

(Walter Vandervolth Rodrigues)

Dotô, eu sô du sertão,


Mas se vancê prestá atenção

Vai sabê que eu tomém sô

Um brasilero, de fato,

Que moro memo no mato,

Mas tomém sô sabedô

Da mais famosa conquista

Qui us nosso futibolista

Nu istrangero realizo.



'Seu' moço, eu nunca istudei,

Na verdade eu nem sei

O que é o tar de purtuguêis,

Mais na língua du sertão,

Daquilo que eu acho bão,

Eu falo pur déiz ingrêis!



Eu moro aqui nu sertão,

Num tenho televisão,

Mais tenho um véio radinho.

Foi pur ele que iscuitei,

E é pur isso qui eu sei

O qui fizero us Canarinho.



Us Canarinho qui eu falo

É a silição de “Zé Galo”

Qui foi lá prus istrangero.

Pur lá ficô muitos dia

Mais quando veio troxe aligria

Pá noventa milhão de brasilero!


Pá falá memo a verdade,

De otos fato da cidade

Eu nem tomo sastifação.

Mais quando falava na bola

Largava inté da viola

Pá prestá mais atenção.



Aqui nesse meu ranchinho

Eu ligava o meu radinho,

Mais véio que pé de serra,

E sentado perto do fogo,

Iscuitava tudin o jogo

Do meu Brasir c'otras terra.



Pá modi trazê o caneco

Joguemo cuns tar de tcheco,

Nem dero pá cumeçá:

Fizero um gor primêro

Mais logo os nosso brasilêro

Já botaro pá quebrá.



Ficô só de quato a um.

- Era apenas o jijum

qui nóis quiria tirá!



Dispois veio a Ingraterra,

Que inventô o futibor.

Lutaro, mas num vencêro.

E agora vô sê sincero:

- Pur respeito aos inventor

Só fizemo um a zero.



Veio a Rumênia dispois,

Ganhemo de treis a dois

Sem sê preciso isforçá.

E assim us Canarinho

Ganharo o lugarzinho

Nas oitava de finar.



Veio, intão, us piruano,

Tomém entraro prus cano:

Ganhemo de quato a dois!

- Na hora eu fiquei cum dó

do brasilêro, treinadô,

Porém cumecei pensá:

“Quem mandô ele í pra lá

Pá contra nóis vim jogá??”



Chegô a vêis dus uruguaio,

- Povo bruto, papagaio!

Naquele dia eu sinti

O maió medo da vida

Puis, diz que aquela gente atrivida

Viero uma vêis aqui,

Quebraro o boné na testa

E acabaro cum a festa

Do meu quirido Brasir



Mais dessa vêis foi furado

O papo desses marvado!

Vinguemo, sim, puis viu só?!
Ganhemo de treis a um

E num fizemo mais um

Purque fiquemo cum dó.



Pur fim chegava a Itália

Dizeno que pra batalha

tinha sangue e muita raça.

Caíro inté na bobage

De comprá uma passage

Pá modi levá a taça.



Mais us onze de “Zé Galo”

Pisaro tomém nus calo

Dus parcêro de Mazzola.

E nu apito derradêro

Mostremo pru mundo intêro

Que somo dono da bola!



'Seu' moço, eu sô um cabôco

Que sei memo muito poco

De otas coisa da cidade.

Mais do nosso futibor

Sei quase tudo de cor.

Tudo qui eu falo é verdade.



Us garoto de “Zé Galo”…

Vancê qué vê cumo eu falo

O nome de todos ele?

- Félix jogano nu gor,

Mostrô seu grande valor

Êh golêro bão, aquele!!!



O nosso Carlos Arberto,

Eu já vi garoto isperto

Mais iguar aquele, inda não.

Lá no meio tava o Brito,

Sartano qui nem cabrito

Defendeno a posição.



Piazza e Everardo,

O grande Gerso,Crodoardo,

Ô garoto sensação!

Mostraro pru mundo intêro

O valor do brasilêro

Que tem amor na nação!



O Jairzinho, -Êh, criolo!!!

Fazia tamanho rolo

Quando a redonda pegava,

E naquele mexe e vira

Eu pensava qui era inté mintira

O qui o meu radinho falava!



O minerinho Tustão,

Eu acho qui era um milhão

Qui ele divia chamá.

Puis fazê o que ele fazia,

Na raça i na valintia

Eu nem posso aquerditá.



I o criolo Pelé?!

Na verdade aquele é

U maiò du mundo intêro!

Quando gritava: - “É Pelé

Qui tá ca bola no pé”,

Eu já ficava banzêro.



Eu já ficava pensano

Qui u pirigo tava rondano

U gorzin dus estrangêro.



Quando ele arrisurvia,

A partida decidia

Em pôco mais de um sigundo.

Jogá iguar aquele homi,

Só se fô um lubisome

Qui vinhé de oto mundo.



O nosso bão Rivilino,

Eu acho qui aquele minino…

Pode sê qui eu mi ingano…

Mais, 'seu' moço, eu discunfio

Qui aquele garoto é fio

Do nosso sertão goiano.



O cabra tinha tanta garra,

Ganhava nu peito e na marra,

Mais tinha qui saí ganhano.



Us reserva qui levaro

Arguns deles tomém mostraro

Seu valor na silição.

Us otos que num jogaro

Foi purque num pricisaro

Mais era tudo muito bão!



'Seu' moço, eu tô sastifeito,

Puis tomém tenho o direito

Di sinti essa aligria.

Puis nessa ocasião

Nosso Brasir é cidade

misturada cum sertão

É tudo uma só famia!



Inté o nosso prisidente

Tava tomém lá presente.

- Viu só, que coisa importante?

Nosso Brasir interinho

Era um só Canarinho

Transformado num gigante!



I agora que o Caneco é nosso,

'Seu' moço, eu inté posso

Agarantí desde já

Qui si havê oto torneio

Meu Brasir tá lá no meio

E vai botá pá quebrá.



A nossa raça valente

Vai mostrá di novamente

Qui o brasilêro num faz feio.

Qui nossa goela num seca,

E qui nóis trais a caneca,

Purque o Caneco já veio.



'Seu' moço, eu agora vô pará.

Já tô roco de falá,

Mais antes quero dá dois grito:

Daqui di onde me vejo,

In nome dus sertanejo

Du meu Brasir infinito…



É o grito qui ressoa

Pur noventa milhão de pessoa

Unida num só coração.

É dois viva bem vivido:

- Viva o meu Brasir quirido!

- Viva a nossa silição!

 

terça-feira, 7 de março de 2017

Muito antes do dia 08 de março...



Um certo Rei Salomão... 


...já havia dado às mulheres seus direitos de trabalhar, de serem reconhecidas e respeitadas dentro e fora de casa...


** Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor em muito ultrapassa os das mais finas jóias!


O seu marido tem plena confiança nela, e a miséria jamais chegará à sua casa.


Essa esposa exemplar faz ao seu marido sempre o bem e nunca o mal.


Escolhe a lã e o linho e com alegria trabalha com as próprias mãos.


Como os navios mercantes, ela traz de longe as provisões para seu lar.


Antes do romper da aurora, ela se levanta a fim de preparar a comida para todos os de casa e dar ordens às suas colaboradoras.


Ela sabe avaliar a conveniência de um campo agricultável e o compra com o seu salário; planta nessas terras sua própria vinha.


Dedica-se com prazer a seu trabalho; seus braços são fortes e vigorosos.


Administra com sabedoria, e seus negócios produzem lucros; mesmo tarde da noite sua lâmpada não se apaga.


Com talento e delicadeza prepara os fios de lã e de linho para tecer as roupas da família.


Coopera com os pobres e necessitados.

Quando chega o inverno rigoroso, ela não se preocupa, pois todos em sua casa têm agasalhos para vestir.


Tece cobertas para sua cama e tem condições para se vestir de linho e púrpura.


Nas assembleias à porta da cidade, onde seu marido toma assento entre as autoridades de sua terra, ele é respeitado.


Ela produz roupas de linho e as vende, fornece também cintos de couro aos comerciantes.


Sua melhor roupa consiste de força e dignidade; é otimista em relação ao futuro!


Abre a boca com sabedoria, e sua língua sabe ensinar com bondade e paciência.


Acompanha seus servos e cuida dos negócios de sua casa sem dar lugar à preguiça.


Seus filhos fazem questão de elogiá-la e seu marido proclama suas virtudes,

“Muitas mulheres são notáveis, tu, porém, a todas sobrepujas!”


A beleza é uma ilusão, e a formosura é passageira; contudo, a mulher que teme ao SENHOR, essa será honrada!


Seja essa mulher virtuosa recompensada por seus merecimentos, e suas boas obras, proclamadas à porta da cidade!


*Provérbios 31. 10-31 - Bíblia King James Atualizada
*http://bibliaportugues.com/kja/proverbs/31.htm

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Onde você guarda seus "segredos"?


Freud concorda com o Rei Salomão: ambos afirmam que nenhum segredo conseguirá 'ser segredo' por muito tempo.

Salomão:
"Não amaldiçoes o rei nem mesmo em pensamento. (...) uma ave do céu poderá levar as tuas palavras pelo ar, e os seres alados poderão se encarregar de divulgar aos quatro ventos tudo o que disseste!" (Eclesiastes 10:20)
 

E Freud:

"Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo. Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos" (Sigmund Freud).

Falamos, sim, pelas pontas dos dedos (e como!). Já não precisamos mais que um "passarinho nos divulgue"... e o melhor de tudo é que gostamos de exposições: o que comemos, o que compramos, o que fizemos, com quem falamos...               Se brigamos, se sofremos, se sorrimos, se amamos... em imagens, sons, palavras  - nas linhas ou entrelinhas. 


Tudo na rede. Tudo exposto ao público, com uma janela aberta para comentários.
 

Até que ponto isto pode ser considerado divertido, agradável ou mesmo saudável?
 
Aqui no Núcleo tudo pode (nem tudo). Leiam, comentem, compartilhem, discordem, concordem. o Núcleo é nosso.



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

E, o que fazer enquanto esperamos...



Vamos redescobrir Paulo Freire e sua paixão pela transformação do sujeito.

 "Escolhi a sombra desta árvore para
repousar do muito que farei,
enquanto esperarei por ti.

  Quem espera na pura espera
vive um tempo de espera vã.
Por isto, enquanto te espero
trabalharei os campos,
conversarei com os homens,
Suarei meu corpo, que o sol queimará;
minhas mãos ficarão calejadas;
meus pés aprenderão o mistério dos caminhos;
meus ouvidos ouvirão mais,
meus olhos verão o que antes não viam,
enquanto esperarei por ti.
Não te esperarei na pura espera
porque o meu tempo de espera é um
tempo de quefazer.


Desconfiarei daqueles que virão dizer-me,:
em voz baixa e precavidos:
É perigoso agir
É perigoso falar                                    
É perigoso andar
É perigoso, esperar, na forma em que esperas,
porquê êsses recusam a alegria de tua chegada.
Desconfiarei também daqueles que virão dizer-me,
com palavras fáceis, que já chegaste,
porque êsses, ao anunciar-te ingênuamente ,
antes te denunciam.
Estarei preparando a tua chegada
como o jardineiro prepara o jardim
para a rosa que se abrirá na primavera."


Paulo Freire

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

As armadilhas da língua portuguesa - De onde vêm as dúvidas?


Identifique o sujeito

O meu sujeito de hoje é, deliciosamente, agridoce - no melhor sentido da palavra.

A.d.o.r.o seu azedume vitaminado e sua doçura apimentada.
Que um dia ele viria para o nosso Núcleo eu já sabia, mas não imaginava que fosse por este caminho – o verdadeiro caminho do núcleo do sujeito.

Explico:
Antes mesmo de ligar meu PC conferi as últimas mensagens do aplicativo do celular e lá estava ele a me perguntar sobre concordâncias verbais, regências e sujeitos (omg!).

Respondi sem demora, sem pensar, sem maiores explicações e também sem saber que acabava de entrar em uma polêmica – sabatinaaa!

(Sorte a minha que não fui pega pela armadilha da lógica – eu e essa péssima mania de 'ir pela lógica' – detesto explicar regras e teorias.)

Meu sujeito agridoce vibrou! Ele estava certo.

Afinal, é super antenado ao mundo das comunicações, bacharel em Administração, cursando Pedagogia...

E, de onde lhe veio a dúvida? 
- 'Foi o moço da televisão que errou'. 
- Sim, os apresentadores da TV, os âncoras dos telejornais também cometem deslizes.



Identificar e analisar sujeitos é uma atividade, no mínimo, instigante… seja qual for o sujeito - na vida ou no texto.

Eu sempre vou preferir analisar sujeitos reais, mas para quem adora dicas e regras aqui vão as duas de que mais gosto:

1 - Sujeito: é o termo da oração do qual se declara alguma coisa. Ele possui 
     um núcleo (palavra de valor substantivo) e geralmente algumas palavras de 
     valor adjetivo que servem para caracterizá-lo. 

2 - O verbo concorda com o núcleo do sujeito* – núcleo não vem unido a uma preposição.

*O melhor de tudo: O VERBO CONCORDA COM O NÚCLEO DO SUJEITO!
ahahahah...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O que fazer depois de tanta festa?

De volta ao começo...

Depois das festas, dos descansos e cansaços.
Passada a primeira semana do ano novo, é hora de voltar ao mundo dos mortais.


É sempre gratificante saber que temos para onde voltar. É sempre bom lembrar que cada sujeito  tem seu núcleo mas o nosso espaço - Núcleo do Sujeito - é de todos.

Sejam bem-vindos de volta às suas rotinas.

Sejam bem-vindos de volta às nossas conversas.